Portugal

ATOMM™: Apresentação

NEW

ATOMM significa Advanced super Thin layer e High-Output Metal Media (Meios metálicos de camada super fina avançada e de alto rendimento).

ATOMM significa Advanced super Thin layer e High-Output Metal Media (Meios metálicos de camada super fina avançada e de alto rendimento). Trata-se de um meio de registo de ultra alta densidade que consiste numa camada superfina de partículas metálicas aplicadas sobre uma camada não magnética de composto de titânio. O meio magnético comum consiste num revestimento magnético numa película de base. A tecnologia ATOMM, por outro lado, é uma técnica de revestimento duplo que deposita DUAS camadas na película de base. A camada inferior é um composto de titânio (titan-fine) que melhora a durabilidade. A camada superior é uma camada notavelmente fina (0,1 a 0,5 "mícron" - milionésimos de um metro!) de partículas magnéticas que permite uma gravação superior de alta densidade.

Para ter uma ideia da espessura da camada magnética, faça um ponto com uma caneta ou um lápis. Esse ponto, que tem cerca de meio milímetro de diâmetro, pode acomodar aproximadamente 10 000 camadas magnéticas de ATOMM sobrepostas. As duas camadas, a magnética por cima da não magnética, são aplicadas simultaneamente na película de base. Este sistema de revestimento duplo exclusivo é o cerne da tecnologia ATOMM.

A tecnologia ATOMM-II de segunda geração permitiu a gravação de sinais de densidade ainda mais elevada, utilizando partículas magnéticas mais pequenas numa camada magnética ultra-fina.

O processo de revestimento duplo

O método convencional utilizado para revestir suportes magnéticos envolve o revestimento com rolo de uma camada magnética na película de base. Este método tem limitações definidas quanto à espessura do revestimento, impedindo assim avanços para gravações de densidade mais elevada.

Outro método de revestimento é a Metalização a Vácuo (MV), que permite a deposição de camadas magnéticas muito finas para gravação de alta densidade. No entanto, o processo MV tem de ser realizado dentro de uma câmara de vácuo a alta temperatura. Não é, por isso, rentável.

Para ultrapassar estas limitações, a Fujifilm desenvolveu uma nova tecnologia - revestimento duplo simultâneo - utilizando o método de revestimento do molde de ranhura para aplicar as duas camadas do ATOMM na película de base. A cabeça de revestimento Fujifilm aplica duas camadas de formulações diferentes em simultâneo a diferentes profundidades e espessuras. A dispersão para a camada inferior a partir de uma das ranhuras transporta a camada superior mais fina que sai da segunda ranhura localizada acima da mesma.

Isto proporciona as seguintes vantagens:

  • A camada superior de partículas magnéticas pode ser criada numa ordem de espessura de sub-mícrons.
  • A camada superior tem uma superfície extremamente dura e lisa.
  • Os lubrificantes são otimizados em ambas as camadas.
  • A camada inferior atua como um reservatório para lubrificantes e proporciona um efeito de amortecimento.

Benefício n.º 1: Maior produção em comprimentos de onda mais curtos

Os sinais de gravação de alta frequência são sinais de comprimento de onda menor. Nestes sinais, contudo, uma camada magnética mais espessa (com mais profundidade magnética) tem um efeito desmagnetizador. (É mais difícil magnetizar um objeto com espessura superior a um terço do comprimento de onda do bit.) Deste modo, para gravação de densidade mais elevada, quanto mais fina for a camada magnética, melhor. Enquanto uma disquete normal de alta densidade tem um revestimento magnético com 2 a 5 mícrons de espessura; o revestimento de uma disquete ATOMM é de 0,1 a 0,5 mícrons. Isto significa que a camada magnética do ATOMM fornece uma melhor força do sinal (saída mais elevada) e uma melhor relação S/N para gravação de densidade mais elevada. De facto, o disco ATOMM fornece uma saída de sinal 8 dB mais elevada -- um sinal que é 250% mais forte quando comparado com um disco convencional de alta densidade.

Benefício n.º 2: Ruído mais baixo

Uma superfície lisa é muito importante para os suportes de gravação magnética. As superfícies rugosas produzem um magnetismo mais fraco devido à separação magnética e fornecem relações de S/N inferiores. O processo de revestimento duplo do ATOMM resulta numa superfície de gravação brilhante e extremamente lisa, devido em grande parte às diminutas partículas esféricas na camada inferior “titan-fine.” Estas partículas têm cerca de um sexto do tamanho de partículas magnéticas metálicas comuns. A suavidade resultante da camada superior superfina resulta em menos ruído, menos falhas e melhor durabilidade.

Benefício n.º 3: Durabilidade superior

Conforme mencionado acima, a superfície suave do suporte ATOMM resulta em menor desgaste e consequente maior durabilidade. Além disso, o aglutinante de rede tridimensional na camada superior melhora a estabilidade e a durabilidade durante o funcionamento a velocidade elevada. O desempenho também é melhorado pelos lubrificantes, que são otimizados nas camadas superior e inferior. Além disso, a camada inferior atua como um reservatório para lubrificantes, o que pode complementar o fornecimento para a camada superior sempre que necessário. Por fim, o efeito de amortecimento da camada inferior proporciona um contacto cabeça-meio melhorado e durabilidade.

Benefício n.º 4: Maior estabilidade de arquivo

O ATOMM emprega um aglutinante de elevado peso molecular que resiste à fadiga do tempo e aos efeitos ambientais. As suas partículas magnéticas são também mais estáveis do que as existentes em meios convencionais. Em testes de envelhecimento acelerado, os meios ATOMM demonstraram vantagens significativas relativamente aos meios de camada única.

Benefício n.º 5: Custo menor

O método exclusivo de revestimento duplo da Fujifilm aplica simultaneamente as duas camadas sobre a película de base. A eficiência da produção em massa minimiza o custo do produto. Comparado com outros tipos de meios, mesmo MV, a combinação de vantagens do ATOMM torna-o a escolha perfeita para a gravação de dados de alta densidade.

A tecnologia ATOMM e NANOCUBIC são responsáveis por uma série de aplicações comerciais bem-sucedidas em produtos de consumo, produtos profissionais de difusão e produtos de armazenamento de dados informáticos.

1992

Criação da tecnologia ATOMM

A Fujifilm lançou a primeira fita de MV HI-8 do mundo

1993 A Fujifilm apresentou a fita de gravação W-VHS de alta-definição
1994 A Fujifilm apresentou a tecnologia ATOMM-DISK, que formou a base para a introdução do disco ZIP
1995 A Fujifilm lançou o cartucho de dados DLTtape IV com uma capacidade nativa sem rival de 40 GB e velocidade de transferência de 6 MB/s baseada na tecnologia ATOMM
1996

A Fujifilm introduziu o DVCPRO, o primeiro formato de cassete de vídeo profissional que utiliza tecnologia ATOMM-II de segunda geração

A Fujifilm aplicou a tecnologia ATOMM a fitas de dados de 4 mm, lançadas DDS-3, 125 metros com capacidade nativa de 12 GB

1998 A Fujifilm lançou o disco zip 250 MB baseado na tecnologia ATOMM
1999 A Fujifilm lançou a DDS-4 com 20 GB de capacidade nativa numa única fita de 4 mm de largura
2000 A Fujifilm introduziu o LTO Ultrium 1 com uma capacidade nativa de 100 GB utilizando a tecnologia ATOMM
2001

A Fujifilm anunciou a tecnologia NANOCUBIC

A Fujifilm introduziu os discos Zip com capacidade de 750 MB

2002

A Fujifilm apresentou a fita Super DLT I com 160 GB de capacidade

A Fujifilm introduziu os cartuchos LTO Ultrium 2 proporcionando capacidade nativa de 200 GB

2003 A Fujifilm apresentou o cartucho de 3592 dados com capacidade nativa de 300 GB, utilizando a tecnologia NANOCUBIC
2004

A Fujifilm apresentou a DAT 72 com capacidade nativa de 36 GB

A Fujifilm apresentou o LTO Ultrium 3, com capacidade nativa de 400 GB

2005

A Fujifilm apresentou a fita Super DLT II com 160 GB de capacidade nativa

2006 A tecnologia (BaFe) da Fujifilm contribuiu para a demonstração da IBM da primeira fita de armazenamento de dados de múltiplos terabytes do mundo
2007 A Fujifilm apresentou o LTO Ultrium 4, com capacidade nativa de 800 GB utilizando a tecnologia NANOCUBIC
2010

A Fujifilm, com a IBM, anuncia a capacidade de fita de 35 TB

A Fujifilm lança o LTO Ultrium 5 produzindo 1,5 TB de capacidade nativa

Graças à sua tecnologia mais avançada, a Fujifilm é a líder em tecnologia e qualidade!